8 de fevereiro de 2010

Gosto de tangerina.

Leia outra vez o título, por favor.

“Gosto de tangerina.”

Imagina que a frase fosse legenda de uma tangerininha que eu desenhei aqui pra vocês, óh:


Gosto de tangerina.


Mas aí que tá. Eu não disse “gósto de tangerina”, eu disse “gôsto de tangerina”, porque na verdade eu nem gósto de tangerina, eu só senti o gôsto e decidi contar. Mas você, esperto que é, não imaginou uma frase sem ação e logo engatou o verbo na primeira do singular do presente do indicativo e leu que eu gósto, mas eu não gósto.

Daí que pensa só: numa frase tão curtinha e pouco significativa pode caber um equívoco tão grande. Imagina então em uma frase tipo assim:

“Elvis não morreu”
“O homem pisou na lua” ou
“Eu não quero mais te ver, boa sorte.”

Vaaaai que alguém interpreta errado. Ou pior! Vai que alguém acredita nisso!!!!

5 comentários:

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Acentos fazem falta.
Gosto, gôsto.
Para, pára.
Pode, pôde e etc...

Marcella disse...

q desenho bunito, dona...

Joey Marrie disse...

Aah, então tu não gosta de tangerina!!!
E de mexerica, gosta???

hahahahaha

=P

Magno Nunes disse...

Elvis não morreu mesmo...

E eu não gosto de tangerina... nem do gôsto!

Felipe Teles disse...

E pior, vai que alguem acredita..

Adorei....