27 de setembro de 2010

Intermúndio

Felicidade pode ser carro, emprego, família, filhos, almoço, loteria, amor, amizade. Pode ser cabelo, unhas, peitos. Pode ser casa. Pode ser escola. Pode ser sapato.
...Ou pode ser papel picado.


A inocência da cena que não vi me lembrou aquela dos Filhos do Paraíso. Era felicidade de criança...

No meio do caos cinza de uma ave sem ninho e sem graça, entre carros passantes e poluição notável, fez-se silêncio na calçada. Duas crianças (dali mesmo) brincavam esquecidas do desimportante. Cada uma, a sua vez, rasgava um pedacinho de papel, lambia escrupulosamente o quadradinho e colava no rosto da outra. A cada pedaço branco cheio de saliva que aplicavam com sucesso, caíam na gargalhada. Àquela altura, as carinhas já estavam cobertas de papeizinhos.

...e não tinha explicação.

5 comentários:

FlamingLips disse...

A felicidade é um conceito subjetivo. Quando se fala de uma felicidade objetiva, material, chego a duvidar se é da felicidade mesmo que falam...

Prefiro a felicidade dos meninos colando papel com saliva.

Doutrina X disse...

Como a felicidade pode ser simples a ficamos presos a padrões que nos mesmos criamos sendo poderiamos ser felizes com apenas um sorriso amigo.

tb fico com o papéis no rosto ja começei a colar!! ahehaehahe

Joey Marrie disse...

"Ainda me lembro do mundo
Dos olhos de uma criança
Devagar esses sentimentos
Foram encobertos pelo que sei agora

Aonde foi parar meu coração?
Em uma troca injusta pelo mundo real"

(Field Of Innocence, Evanescence)

LIno XOngas disse...

A fábula ensinou que "o homem feliz não tinha camisa"... para infelicidade do rei.

Magno Nunes disse...

Olha só..tá vendo, a felicidade está nas pequenas coisas, sejam crianças ou papéis...