4 de maio de 2009

E é… a Virada

Sampa como Amsterdã por 24 horas.
O inferno na terra.

O pretexto da democratização da cultura como desculpa perfeita para a falta de políticas públicas sólidas e permanentes de fomento e acesso.

Entre assaltados e bêbados, todos sobreviveram. Até os atingidos pelo gás lacrimogêneo que, é claro, era metafísico. “Eso no ecsiste”, disse padre Quevedo em entrevista à Folha de SP. No editorial, o evento foi classificado como “virabranda”.

A gripe não chegou. Ainda. O vírus está encubado. Mas não se preocupe. Somente 4 milhões de pessoas compareceram à Virada Cultural, ainda segundo a Folha de SP.

Sampa como Amsterdã por 24 horas.
E não deveria ser à toa que moro no Brasil.

15 comentários:

Anônimo disse...

Entre 19h e 20h eu pego meu cavalo branco e me preparo para ganhar as ruas, tirar a minha princesa de sua torre. Quando me lembro que nao paguei IPVA, e as multas por excesso de velocidade acabaram com a minha carta, aí peguei o meu bilhete único mesmo e me aventurei num ônibus.
Andar de ônibus neste sábado foi como andar de metrô às 8h da manhã na Sé, já experimentou? Pois é, não recomendo!
Pois bem, depois de sair quase inteiro entre gritos e demaselos ouvi e vi de tudo!
Encontrei alguém, e lhe contei partes da minha história, e essa pessoa sorriu para mim e disse: "A cidade se voltando para música e você se voltando para ela!".... A resposta fora imediata: "Ela é minha música".
Caminhei, caminhei... Algumas horas depois eu volto para minha fortaleza interiorana, dentro de um ônibus mais lotado ainda, porém não tão quanto os que iam para a tal Virada.
As ruas sujas. Bagunça. Gente gritando. Gente pulando. É, realmente não faz a minha.
Meu interior estava estrelado, a lua em meio copo de vinho e eu me senti grande demais para uma noite de cultura. Super homem.
Não fui na Virada, mas o que mais vriou foi aqui dentro de mim. Não digo que fora cultural, tá mais pra fisica, quimica e geografia. Tá mais pra sociologia. Tá mais pra Camila Caringe.


Assinado,
Senhor Anônimo.

Andréia Félix disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Andréia Félix disse...

SP é como Amsterdã todos os dias, só que "nas escondidas". Se na Virada vc vê pessoas fumando maconha do seu lado, esse não é um problema do evento. As pessoas que fizeram isso no último final de semana, já faziam antes e continuarão fazendo mesmo não estando sob sua vista.

São por opniões assim que muitos ainda tem preconceito quando o assunto é "Virada Cultural".

Pronto, falei!

Bjão!

Camila Caringe disse...

Preconceito. Pré-conceito. Ou seja, conceito pré-estabelecido. Não foi o caso.

Magno Nunes disse...

Olha...essa moça aí em cima do seu recomentário está completamente enganada...

POr acaso ela viu o gás na cara?
POr acaso ela viu o povo em cima do busão?
Por acaso ela viu o povo depredando o metrô?
Por acaso ela viu o sexo explícito nas ruas do centro velho?

Maconha era o de menos, e não justifica o fato das pessoas fazerem isso durante o tempo todo...

Se vc gosta desse tipo de evento, mal organizado, beleza fique com ele!!! Afinal são por pessoas que pensam assim que meninas são atacadas, estupradas e depois dizem que é culpa do sistema...

Pronto, repliquei... quando não se está sob o efeito da marijuana pode-se ver tudo...Mas quando está embriagado pela marola, todos são sempre a favor...

Vai dôrmi vai...

BjoCá! (Não podia deixar passar...)

nata disse...

A virada foi uma grande merda ou eu q tive a "sorte" de estar nos lugares errados...

O prefeito pode botar sons altos dois dias seguidos, mas eu non posso... óh o psiu ai!!!
:P

Joey Marrie disse...

A paraense aqui se abstem de qualquer comentário sobre a Virada.
Estando a quilômetros e quilômetros de distância só posso dizer que eventos mal organizados existem e sempre vão existir. Eles vêm, viram a cidade, as pessoas de pernas pro ar... e é tudo tão normal... ;D

Andréia Félix disse...

Bem, em três anos que vou à Virada, nunca vi uma briga. Meu objetivo é curtir os shows e é isso que eu vejo as pessoas fazerem por lá. Estive pela Luz, República, Anhagabau e São João. Virei a noite. E, para mim, o evento foi tranquilo, como sempre...

Acho a idéia da Virada ótima. Promover cultura gratuitamente: shows, peças de teatro, cinema, exposições.... Se vocês presenciaram o caos, bem... seria culpa do evento ou das pessoas que o fizeram? Acabar com a Virada seria a solução? Uma pessoa tem o direito de um dia ver, por exemplo, a orquestra sinfônica municipal de graça, não? Essa é a oportunidade!

Magno, o que é isso? "Afinal são por pessoas que pensam assim que meninas são atacadas, estupradas e depois dizem que é culpa do sistema..." Hãn? A culpa seria minha? Da Virada Cultural? Organize melhor suas idéias... hehe Não chute o balde para dizer que não concorda comigo hauahauahauahau Eu aceito sua opinião e acredito no que você disse que viu...

Camila Caringe disse...

"Uma pessoa tem o direito de um dia ver, por exemplo, a orquestra sinfônica municipal de graça, não? Essa é a oportunidade!"

Uhum. Por 24 horas. Depois só no ano que vem.

Magno Nunes disse...

Bem, eu vou a cinco anos na virada, curiosamente, desde a primeira láááá nos aureos anos de calmaria e cultura de vero...

Esse ano passei por 19 palcos...

É inegável que a idéia é boa, não estou dizendo que é ruim. Mas idéias são idéias, seja com ou sem acento. A execução é mto diferente.

Olha, hoje é terça feira, vou passar nos mesmos lugares dos shows de domingo e curiosamente não vou ver quebra quebra, nem o caos no trânsito com pessoas e carros ocupando o mesmo espaço. Não vou levar gás na cara e não vou ver sexo explícito, a não ser que contrate o serviço...

Ou seja, respondi sua pergunta. Não sei se você reparou, acho que não, e isso é ruim jornalista, foram 4 milhões de pessoas. Não foram quatro milhos grandes!

Em todos os meus anos de virada cultural os dois últimos foram lastimáveis, brigas generalizadas, consumo excessivo de psicotrópicos e destilados...E a culpa é de quem reune as 4 milhões de pessoas num mesmo canto...

E vamo lá, quero ver até o final do ano quantas vezes vc vai ver a orquestra municipal! E como vc não deve saber, periodicamente, para não dizer semanalmente, a programação de eventos gratuitos no teatro municipal é extensa e não é preciso esperar um ano para ver os eventos...

Pesquisa jornalista! Pesquisa! Nem é preciso levantar o derrierre da cadeira para saber de algumas coisas...porque é como dizia o velho deitado... "Eu não acredito em bruxas, mas que elas existem EXISTEM!"

Enfim, não sou contra eventos culturais de gratis, mto pelo contrário, corro para ver onde eles estão, mas desse jeito... Pode ficar todinho pra vc...pode ser que nada aconteça, assim espero, pelo menos comigo não acontece nada afinal tenho 1,90, mas pra vc acho que é mais fácil, então continue indo às viradas 6,7,8,9,10...Mas farei como muitos de meus colegas, vou ver o filme do Pelé...

Afinal pra quê eu preciso esperar o ano todo pra andar no centro denoite? Eu moro aqui...privilégio de poucos e prefiro não compartilhar com 4 milhões de seres amébicos (nem existe mas beleza) Porque quem já comeu mousse não quer saber de gelatina!

Andréia Félix disse...

Camila, o Magno está com a língua afiada hoje, não? Mas podem vir quente que estou sempre fervendo hahaha


Esse assunto vai longe.. que tal uma mesa de bar para continuar o papo e animar os ânimos, hein?

O Magno paga a cerveja!

Camila Caringe disse...

Ah... ele é sempre afiado. rs
A mesa de bar seria bacana.
Eu aceito se ele pagar minhas smirnoffs costumeiras.

:D

Andréia Félix disse...

Extra, hoje, na segunda aula?
É isso mesmo?

Ah, só corrigindo minha frase haha "pode vim quente que eu estou sempre fervendo"

Erro feio, né? hauahauahau

Camila Caringe disse...

Nossa segunda aula é diagramação.
Se a galera da aula de imprensa topar esperar, por mim, vâmo pro Êxtra! rsrs

O Fabrício ohohohoh disse...

Adoro quando o post é bem discutido...

Falando da virada só curto os eventos fechados!

Pena que não rolou o Extra

bjo galera