3 de agosto de 2008

Recesso

... E, com horror, percebi que estava metamorfoseada num inseto gigante. E que estava sendo esmagada, ainda por cima!
Mal podia perceber como estava e já sentia o medo maior de todos os seres que vivem: o medo de se extinguir.
O calor que a alma sentia sob aquelas novas formas era indizível. E peso. O peso era tanto que respirar era já muito difícil, quanto mais se defender.
Estava escuro. Mas não totalmente escuro. Era um meio escuro, meio claro, de início da manhã. Mas ainda escuro o bastante para que os contornos de mim e do além de mim não estivessem bem definidos.
Tentei me virar, mexer e, sofregamente, o fiz. Pouquinho. Porque mesmo eu não sabia o que queria ao me mexer. Nem onde ir, nem o que fazer...


_ Eu disse pra você não dormir com o cabelo molhado. Olha. Tá queimando em febre. E com 3 cobertores!

Não tive forças pra dizer que era o frio ou pra negar o algo que me enfiavam guela abaixo.

_ Toma esse remédio. E agora? Vai trabalhar?

Eu não me lembrava meu nome de gente, quanto mais o de inseto. Muito menos me ocorreu como responder ao inquérito. Trabalhar? Assim?
Sim.
Fui trabalhar.

3 comentários:

Magno disse...

Trabalhar? Assim?
Sim.
Fui Trabalhar...

Voltei mais cedo...

Quando nos transformamos nesse inseto ficamos quase extintos! Somos derrubados senhorita Camila Samsa...

Não creio que o cabelo molhado seja o motivo...
Talvez a falta de PCB, força vital para todo e qualquer serumano! He!

Enfim, tomara que esteja melhor...
Senão...podem pegar os chinelos para a aniquilação final!... Credo... O_o

Beijos Cá..
Má (Frrrrrio...)

O Fabrício ohohohoh disse...

Miga eu teo tempo entendo bem, odeio o tempo seco e todos os problemas que segue!

Falei do seu comentário no orkut e você é uma das poucas pessoas que lembram, por isso te amo!

Hj e sempre

Fe disse...

Por isso e por outros sou completamente apaixonado por ti..

direto e sincero..

PUTA QUE PARIU QUE SAUDADE...

T amo Flor