15 de dezembro de 2008

Desopilando as estribeiras

Era eu voltando pra casa depois de saber como seria o ritual da primeira banca. Como diz o velho provérbio: da primeira banca a gente nunca esquece. E parece mesmo ser assim.
E era eu, parada, esperando para atravessar a Radial Leste, a pé. E era, do meu lado, um senhor negro, rijo, educado, com um perfume ardente.


_ Olá!
_ Olá. – respondi.
_ Demora esse negócio pra gente poder atravessar, né?
_ Ah, é!
_ Sabe, eu gosto de ter gente por perto pra conversar! Acho muito importante isso.
_ Ah, sim sim. Mas é mesmo. Muito importante.
_ Você é estudante, né?
_ Sim.
_ Faz o quê?
_ Jornalismo.
_ Aaahhh...!!! Você faz jornalismo? Que lindo! Sabia que eu já saí duas vezes na Veja?A revista, sabe? Então! Quando eu vou pra minha cidade eu levo as revistas e todo mundo diz que eu tô importante. Mas lá eles não entendem muito dessas coisas. Eu sou de Salvador! Soteropolitano. Sabia que quem nasce em Salvador é soteropolitano? Fiquei com uma raiva! Lembra aquele dia do Show do Milhão que o hómi não sabia como chamava a pessoa que nascia em Salvador? Mas eu sabia, porque é a minha cidade. Eu dava pulo em casa de raiva que o sujeito não sabia. Mas fiquei pensando: aquilo tudo é combinado, não é combinado?
_ Olha... eu não sei...
_ Ah! Eu acho que é combinado! Não é possível! Teve outra pergunta também que eu fiquei com raiva. Era sobre a bandeira, “Ordem e progresso” tem 15 letras. 5 com E dá 6. Mais 9 do progresso dá 15. Não é que o cabra errou? Você assistia esse programa? Nossa eu adorava! Você assistiu dessa vez? Se lembra?
_ Não... acho que não...
_ Então, é porque eu sou professor de português e matemática, né? Eu tenho uma filha que é psicóloga e mais duas que são professoras, porque fizeram o magistério. Você sabe o que é magistério, né? Então. Pois é. Mas eu sou de Salvador. Vou te provar. Olha aqui.
_ Nossa... É mesmo... Seu RG é de Salvador. Nessa época tava só de bigode, hein?
_ É! Não! Nessa época eu tava sem barba! Mas eu sou formado em patologia clínica, sabe? Que faz exames e tal. Mas eu também sou boxeador. Daí é bom que eu te acompanho e te protejo, porque eu também sou, óh!, capoeirista. Tenho 54 anos, mas me sinto um menino! Aguento dois homens! Nossa! Você é muito legal, hein?! Muito legal mesmo, adorei você! Simpatia! Mas olha! Vai ter uma festinha de final de ano lá na firma onde eu trabalho e eles vão até doar aquelas cestas básicas, sabe?
_ Ah... puxa, que ótimo!
_ É! É bom, né? Então! Vai ser ótimo mesmo! Onde você trabalha vai ter festinha também? Aliás, você vai se formar, né? Se você me chamar... Olha, eu tô vestido assim, mas se você me chamar eu vou lindo! Eu pego a roupa mais linda do meu armário e me visto todo bonito. Vai ter festinha?
_ Ah... mas ainda falta um ano pra mim...
_ É, né? Ah... mas tudo bem. Olha, eu moro nessa rua, foi um imenso prazer acompanhar a senhorita. Nunca conheci alguém assim. Você é maravilhosa. Incrível mesmo. Não teve preconceito, viu que eu sou trabalhador, me tratou com respeito. Meu nome é Luis. Sei que não vamos nos ver até o Natal, então dá um beijo na família por mim, manda lembraça pra todo mundo lá, um feliz Ano Novo e vá com Deus, filha, vai. Foi um prazer, viu? Você é ótima.
_ Ah... foi um prazer conhecê-lo também, senhor Luis. Feliz Natal e feliz Ano Novo. Até mais!

Ao final estávamos ambos mais calmos. Senhor Luis e eu.

8 comentários:

Chico Silva Jr disse...

E não o convidou para a banca oras?
Ele seria o mais misericordioso dos cátedras!

Magno disse...

Olha...e depois eu que sou mo simpático...que converso com todo mundo e talz...

Tá vendo...

Pelo jeito vai tá cheio amanhã...
Acho que nem vai querer que eu vá...

BjoCá

Anônimo disse...

e afinal, vc conseguiu atravessar???

Déia Félix disse...

As pessoas são muito carentes. Basta um "oi" e eles já se sentem a vontade para conversar. Contam a vida inteira se vc deixar. Tenho várias histórias como essa hehe

Vivian disse...

Adorei a história.
Boa sorte hoje, Camilitchas. Vai dar tudo certo!
beijos e arrase!
Vi

Lápis disse...

hauhauahuhauahauahauahuahuahauha

Que situação engraçada...vc não fez nada e se tornou especial pro senhor...

E dizem que pra mudar o mundo, vc precisa fazer algum esforço...que nada!rs

beijos

Ramon Dias disse...

Camila, adorei a narrativa!
hehehehe

Essas situações cotidianas dão ótimas histórias...

bjuxxxx

Felipe Teles disse...

- Alô? É da CET? Eu queria avisar que tem um farol quebrado ali na Radial a caminho da faculdade. Isso, isso.
E ó, vai com tempo tá.