30 de março de 2010

Faz sentido, mas por pouco.



_ Camila Caringela! Como você tá?


_ Bem! Que saudade, querido!

_ É mesmo! Faz tempo que a gente não conversa!

_ E como tá lá na NGTal, a TV onde cê tá trabalhando?

_ Ah... eu saí de lá.

_ É mesmo? Por quê?

_ Porque não tinha a menor condição de trabalhar.

_ Como assim?

_ Óh, primeiro que eu não recebia nada pra estar lá. Mas fiquei dois meses sem um cartucho de tinta na impressora. Outro dia fui fazer uma externa e me liberaram o carro sem gasolina. Esses dias mesmo, ligou uma mulher lá na emissora e perguntou se a gente não assistia a nossa própria TV. Perguntei porque e ela respondeu: “Pô, cês não tão vendo que é a terceira vez que cês repetem o mesmo bloco do programa?”. Fiquei sem reação. Fui conversar com o técnico e perguntei o que é que ele fazia antes de ir trabalhar lá. Ele me respondeu que era auxiliar de escritório e que só tava lá porque ensinaram pra ele como apertar um único botão, caso a TV desse pau. Aí colocaram uma híbrida lá no programa que eu produzia. Pensei, nossa, que legal! Vamos entrar com o expectador por telefone. Massa! Mas o programa é ao vivo e, na hora, a híbrida não funcionou. Claro! Ninguém testou o negócio antes do programa entrar no ar. Mas a gota foi quando, faltando sete minutos pro programa entrar no ar, a galera decidiu fazer a abertura do heliporto. Eu disse que não ia fazer no improviso e eles disseram: “Mas que raio de jornalista é você? Se cair um avião você tem que ir lá cobrir!” e eu respondi: “É, né, filhão! Mas se cair um avião! Se vocês forem lá só pra bagunçar eu vou embora.”

_ E eles foram???

_ Foram.

_ E você?

_ Fui embora.

_ Quanto tempo você ficou lá mesmo?

_ Dois meses.

_ Bastante, hein?!

_ É...

3 comentários:

Felipe Teles disse...

Pois é.. estou a ... 6 meses em algo .parecido....
veremos...
To esperando o Helicoptero..

Magno Nunes disse...

Mas ele esqueceu de dizer que conheceu o Jacaré!

Eu ficaria satisfeito e pediria o boné! hehehe Me contento com pouco...ahahaha

Roger dos Santos disse...

Nossa! Será que tenho direitos autorais sobre isso? Hehe parabéns. Bela narrativa. Mas, eu esperava uma moral da história, um conselho "a la Caringe". E olha que seria bem vindo. Fiquei curioso em saber qual seria a pitada caringe nesse post.