9 de abril de 2008

Aprender a aprender

Existem aqueles contratados para dar aula que, de todas as implicâncias advindas desse processo, participam efetivamente apenas da parte de ganhar dinheiro no final do mês. E existem aqueles que são professores em tempo integral, não só por causa das exigências da academia, mas pela sua postura na vida.
Existem professores que se esforçam bastante para serem bons, outros que não se preocupam em serem lembrados como bons, mas em serem competentes e investirem no seu próprio crescimento, porque sabem que isso será refletido na qualidade de suas aulas. Estes últimos costumam ser os melhores. Porque encaram o ensino como uma missão particular, sem se esquecer de que é coletiva.
Universidades caça-níqueis não costumam se preocupar muito em diferenciar um profissional do outro. E os alunos, que só querem o diploma mas não creditam valor a ele, não contribuem para uma mudança significativa.
Coordenadores burocratas também podem ser um grande empecílho para qualquer ação estudantil realmente empreendedora dentro da universidade.
Se forem francamente corruptos então... Hum...
O que a democracia coloca no poder, a democracia tira. Isso quer dizer democracia.
Aos da UnB, todo meu apoio.

2 comentários:

Magno disse...

Disse tudo...
Tem professores que fazem questão que alguém os coloque na parede...pergunte...discorde...

Sexta será um grande dia...estou ancioso...

E existem alunos que realmente...serão grandes educadores...

Vamos à Brasília?

Enfim...
É isso...

Beijos Cá...
Má (Viva o Cristovan!)

Magno disse...

Tá vendo..

Só foi esboçar ir pra Brasília que o reitor se afastou...

ISSO QUE É MEDO MANÉ!
SEU NEM...