16 de novembro de 2008

Condão dos autóctones

Nada(,) que me sobra(,) falta(!)
Nada que defina(-me) é preci(o)so(!)
À parte isso, (por quê não?) tenho (em mim)
todas as palavras do mundo (sob) aos meus (devaneios) pés.
Concretudes do etéreo-demais pra caber no paradi(gma)so (perduto).(..)

5 comentários:

Chico Silva Jr disse...

Ainda que
(se)
use [as]
palavras
(d)elas
- não -
somos
[(do)nos].

Magno disse...

É(isso) ae.
Não sei (tenho) o que falar...

Então...tá...

Bjo(Cá)
Má ((Vai custar caro!))

Du disse...

gostei muito do testo anterior...
bjos!

du disse...

*TEXTO

é que eu to zuado...zuado.

vinilliterario disse...

O jeito é (des)ajeitar tudo (de) novo.