4 de junho de 2008

Evidência

Adorno e Horkheimer já falaram há muitos softwares atrás que isso aconteceria. A gente sabia, é claro. Sempre soubemos.
A palavra ganhou ares de cientificismo e a arte, que não é absolutamente necessária à auto-preservação, foi marginalizada. E antes tivesse ficado às margens, mas à mão. Não. Virou artigo de luxo. A estética não é mais direito, é vitrine. Palavra é ciência.


"Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto ...


Se Bilac fosse científico, censuraria a si mesmo antes de dizer pra todo mundo que ouvia estrelas! Só pode mesmo estar sofrendo de transtornos psicóticos... Alguém que tem o sono interrompido para abrir as janelas...
Olha... sair da cama, no quentinho, pra abrir as janelas e apanhar friagem... e pálido de espanto, ainda por cima!


Ora (diria) ouvir estrelas! Fatalmente
Perdeste o senso! E nem podes dizer, no entanto
Que possui provas de ouvi-las, consciente
E feche as janelas... a palidez é influenza, portanto...


Deus disse “Faça-se a luz!”... e é claro que era para iluminar o verbo...
O sol já existia antes da lâmpada... É óbvio.

4 comentários:

Anônimo disse...

CDL, a filosofia pós-moderna ganha uma dama para tergiversar sobre as maravilhas que olhos e ouvidos degustam!

bjs,
seu fã

P.p.

nata disse...

viu...hahahah...acho q vc anda muito preocupada com transtornos...num post é psicotico, no outro eh bipolaridade...rs... sei nao ein...rs...

carinha Eventual disse...

entao, eu até entendi o texto, mas não entendi (ainda) aonde a senhorita pretende chegar.

bem, ou melhor! vc nao quer chegar a lugar nenhum. (pq se for isso eu ja saquei).

(táh, esse comentario foi sem pé nem cabeça).

Magno disse...

esse eu passo....
mas o livro eu lembro...

afinal, sagas atrás de pérolas é meu forte...